BeRuby

Embaixadores

sexta-feira, 4 de março de 2011

No Country for Old Men (2007)

no-country-for-old-men-main.jpg
“I was sheriff of this county when I was twenty-five years old. Hard to believe. My grandfather was a lawman; father too. Me and him was sheriffs at the same time; him up in Plano and me out here. I think he's pretty proud of that. I know I was. Some of the old time sheriffs never even wore a gun. A lotta folks find that hard to believe. Jim Scarborough'd never carry one; that's the younger Jim. Gaston Boykins wouldn't wear one up in Camanche County. I always liked to hear about the oldtimers. Never missed a chance to do so. You can't help but compare yourself against the oldtimers. Can't help but wonder how theyd've operated these times. There was this boy I sent to the 'lectric chair at Huntsville Hill here a while back. My arrest and my testimony. He killt a fourteen-year-old girl. Papers said it was a crime of passion but he told me there wasn't any passion to it. Told me that he'd been planning to kill somebody for about as long as he could remember. Said that if they turned him out he'd do it again. Said he knew he was going to hell. "Be there in about fifteen minutes". I don't know what to make of that. I sure don't. The crime you see now, it's hard to even take its measure. It's not that I'm afraid of it. I always knew you had to be willing to die to even do this job. But, I don't want to push my chips forward and go out and meet something I don't understand. A man would have to put his soul at hazard. He'd have to say, "O.K., I'll be part of this world”."

As palavras vêm de Ed Tom Bell (Tommy Lee Jones), um xerife do Texas. As palavras são proferidas à paisagem árida e desértica do Texas. Lá está o mote para o desencadear do filme – um negócio de droga que corre mal e um cidadão do Texas (Josh Brolin) encontra uma mala de dinheiro enquanto que um temido assasino e  louco (Javier Bardem) é pago para encontrar essa mala.
E assim decorre o filme. O pano de fundo é sempre o mesmo. Assistimos a um fugitivo, a um xerife e a um assassino que vêem as suas histórias convergindo devido àquela mala de dinheiro. Algo interessante a apontar a este filme é a dedicação por parte dos actores a este filme. Pois quem viu o filme sabe do que falo e vou mais além a dizer o que muito já disseram: Javier Bardem está impecável!
Apesar de estar um pouco fora do círculo dos irmãos Coen , dos quais sou fã, no que toca ao humor negro, nesta película consegue-se notar os rasgos dos Coen e do seu argumento. A sua realização é calma e sensível enquanto que o argumento nos faz ferver.
Este filme é um exemplo perfeito do que o Cinema tem de ser. Transporta a mensagem de que tudo é ultrapassado, de que há tempo para os novos, que há tempo para os velhos mas, a certa altura, todos nós envelhecemos e o mundo deixa de ser aquele que nós conhecíamos.

nota 9

5 comentários:

CINE31 disse...

Belo filme. O Bardem está sinistro...

Sarah disse...

Ai sim, o Bardem arrepia neste filme! Sublime. Adorei.

Sarah
http://depoisdocinema.blogspot.com

DiogoF. disse...

Não acho que fuja ao estilo Coen, muito antes pelo contrário - respira-o por todos os poros. Sádico, subtilmente bizarro, suspense, humor negro. Grandes e pouco ortodoxas personagens e uma grande história. Uma extraordinária forma de contar a frase "isto no meu tempo não era assim", ahahah. Adoro o filme.

chiclas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
chiclas disse...

Adorei sem duvida! Os brothers Coen no seu melhor!